Facebook: a maior empresa jornalística da história?

De carona com o lançamento recente de uma fanpage dedicada a divulgar boas práticas aos jornalistas na rede, o Facebook aparece no centro de uma polêmica interessante.

O momento mostra que hiperlocal é hype. E qual outro ambiente consegue se tornar tão segmentado em medidas ajustáveis do que as mídias sociais? Não por acaso, são espaços por onde circula, acontece e se busca muita notícia. Uma lógica possível pode ser essa: jornalismo + hiperlocal = rede social. Mas daí ao Facebook ser a maior empresa jornalística de todos os tempos faz sentido?

Joshua Gans, professor de economia da Melbourne Business School, não só acredita que sim como justifica com a noção do hiperlocal social, ou seja, a vizinhança não geográfica, mas agrupada em torno de interesses comuns – o que sempre estudamos como a base de qualquer comunidade online. O que muda, talvez, seja a escala do Facebook e outro aspecto curiosíssimo que, assim como este, é abordado pelo EditorWeblogs.org.

Fun and News

Um dos diferenciais mais significativos do Facebook enquanto ferramenta jornalística é a combinação de práticas sociais em um mesmo espaço. Mathew Ingram reduz o Twitter a sinônimo de jornalismo, como se o único propósito dos tuiteiros fosse buscar notícias por lá. Enquanto isto, no Facebook, o jornalismo se espalha num emaranhado de fotos divertidas, jogos em rede, conversa de amigos, aplicativos cute… ou seja, não é um espaço somente jornalístico. Mas cá entre nós: vocês vêem o Twitter como sinônimo integral de jornalismo? Eu confesso que não.

Ainda assim, a perspectiva destes caras parece fazer sentido, ainda que um tanto exagerada. Talvez caminhemos para esta configuração do jornalismo em mídias sociais. Talvez tenhamos que buscar fazer um jornalismo mais divertido – o que não é novo, vide os newsgames! – para manter a relevância no convívio social do público.

About Ana Brambilla

Sou jornalista, doutoranda em jornalismo e mídias sociais, nasci em Porto Alegre, amo São Paulo e moro em Buenos Aires ^.^
This entry was posted in jornalismo, Mídia Social and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Facebook: a maior empresa jornalística da história?

  1. Oi Ana, tudo bem?

    Sou Tiago, editor do Blog Web Diálogos, de comunicação digital. Nosso blog produz conteúdos na área de jornalismo online, mídias sociais, marketing digital, SEO e cibercultura. Estava analisando o seu blog também e eu acho nossos conteúdos complementares. Gostaria de propor uma parceria entre nossos blogs, de forma que possamos gerar e distribuir conteúdo para aumentarmos nossas visitas e conseguirmos melhorar ainda mais nossos blogs.

    Visite-nos e veja se é interessante esta parceria para vocês: webdialogos.com
    Fico no aguardo,
    Abraços e parabéns pelo blog!

  2. Yuri Almeida says:

    Tenho lá minhas dúvidas sobre o Facebook e jornalismo…Mas analisando pelo conceito do “hiperlocal social” o Twitter não seria mais “fértil”, tendo em vista as hashtags e a velocidade de informação, característica elementar do ciberjornalismo?

  3. Tendo a concordar contigo, Yuri. Talvez o que eles queiram dizer com esse “elogio” ao Facebook seja maior facilidade de misturar assuntos, entre eles o jornalismo, o que pode ajudar as pessoas a se interessarem por notícias “sem perceberem”. Mas isso me parece realmente válido quando considerarmos o Twitter algo essencialmente noticioso, o que, no meu olhar, ainda não é.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>